Não somente a construção civil, mas também o agronegócio, o comércio varejista e outros sete setores da economia poderão ter impacto positivo com os investimentos feitos para o maior torneio de futebol do mundo

Por: Simone Talarico

A Copa do Mundo 2014 vai gerar investimentos do setor público e privado que especula-se deve chegar a 5 bilhões de dólares no total. Este montante deve render milhares de empregos diretos e indiretos e deve dar visibilidade internacional às cidades-sede. Com a expectativa de receber 3,7 milhões de turistas, além de o torneio ser visto por cerca de 3 bilhões de espectadores, há oportunidade de negócios em vários setores da economia. Além disso, não são somente as cidades-sede que podem se beneficiar. Além delas, outros estados vão participar como centro de treinamento para seleções que vão disputar a Copa e se seu negócio está em alguma delas, há também boas oportunidades.

Com números tão impressionantes, espera-se que Copa do Mundo 2014 seja um marco de desenvolvimento para as micro e pequenas empresas no Brasil. Além do tão falado legado que o torneio deve deixar para as cidades em termos de infraestrutura, o horizonte se mostra fértil para oportunidades de uma série de serviços subcontratados de pequenas empresas locais, que vão se desenvolver em consequência dos grandes investimentos. Além disso, após os jogos, o desenvolvimento que estas empresas adquiriram, o quanto elas se profissionalizaram e avançaram em competitividade deve fortalecer ainda mais as pequenas e médias empresas brasileiras.

Ainda há tempo. Há cerca de 600 dias para o início do evento, o período é suficiente para planejar seu projeto. Neste cenário, aqueles que estiverem mais bem preparados e possuírem conhecimento das ferramentas de gestão poderão ter maiores chances de sucesso graças a este grande evento esportivo.

Identificar quais oportunidades são adequadas para o seu negócio e o plano de ação a ser tomado para se preparar para as oportunidades é que é o grande desafio. Mas há fontes de ajuda. Uma solução para pequenos e médios empresários é o Mapeamento das Oportunidades de Negócios da Copa 2014, desenvolvido pela Fundação Getúlio Vargas a pedido do Sebrae, publicado em 2011. O levantamento apontou 930 oportunidades de negócios para micro e pequenas empresas nas 12 cidades-sede em todas as regiões do Brasil. O Mapa de Oportunidades engloba nove setores da economia: agronegócio, comércio varejista, construção civil, madeira e móveis, economia criativa (artesanato, gastronomia, entretenimento etc.), moda (têxtil e confecção), serviços, tecnologia da informação e comunicação (TIC) e turismo.

As oportunidades mapeadas estão distribuídas, por exemplo, na construção e reforma de arenas e hotéis, que demandam os mais diversos produtos e serviços; no fornecimento de produtos orgânicos para supermercados, bares e restaurantes, que poderão divulgar a qualidade dos produtos brasileiros, e até no planejamento e realização de ações de marketing para empresas de todos os portes e dos mais diversos segmentos.

Um dos destaques para geração de oportunidades do Mapeamento é a exploração comercial das áreas em torno das arenas esportivas e das Fan Fests, bem como a prestação de serviço e locação de materiais para montagem dos ambientes desses locais. Ambos contarão com grande fluxo de torcedores, ou seja, consumidores em potencial. As Fan Fests serão os espaços, nas 12 cidades-sede, destinados à transmissão das partidas e que aglomeram cerca de cinco vezes mais torcedores do que nos estádios. Esses locais podem oferecer também a possibilidade de comercialização de artesanato e alimentação.

Preparar os empresários para essas oportunidades é o foco do programa Sebrae 2014. Além dos dados do Mapeamento, o estudo também revela os requisitos que as empresas precisam possuir para comercializar produtos e serviços com foco nessas oportunidades.

Uma outra oportunidade que também surge com um evento desta magnitude é a demanda por hotéis, ou pousadas. Este é também um setor que ainda está gerando oportunidades de negócios, através da franquias de hotéis, por exemplo. Com um investimento inicial de a partir de R$ 40 mil apenas na implantação da bandeira para empreendimentos já estabelecidos, o faturamento médio pode ser de cerca de R$ 200 mil.

Contudo, um conhecimento básico que todo empresário, quer seja dono de um negócio de porte pequeno, médio ou grande, que queira aumentar seu faturamento com o torneio, deve ter é começar agora a aprender Inglês, Espanhol, Francês e até mesmo Japonês, pois se comunicar é fundamental para o início de qualquer transação.

Como dizem os sábios, se você for contar com a sorte, saiba que esta é o resultado do encontro entre a oportunidade e o preparo.

Fonte: businessreviewbrasil.com.br